GERAL

6 de dezembro de 2017
Shell Racing disputa última etapa da Stock Car com chances de título entre as equipes em Interlagos

Ricardo Zonta, Átila Abreu e Thiago Meneghel

Em terceiro nos pontos, Átila Abreu precisa e vencer e torce por contratempos de concorrente para ser vice-campeão

Em sua primeira temporada sob o comando de Thiago Meneghel, a Shell Racing disputa neste domingo a última corrida do campeonato da Stock Car, em Interlagos, com possibilidades de chegar ao título de equipes e ao vice-campeonato de pilotos.

Com pontuação dobrada, a Shell Racing precisa que Átila Abreu e Ricardo Zonta subam ao pódio, além de torcer por uma combinação de resultados para ser campeã. Em caso de dobradinha da Shell Racing, a concorrente RC não pode marcar além de 18 pontos com seus dois pilotos, o que equivale a um 16º e um 17º lugares somados. Se Átila e Zonta terminarem em segundo e terceiro, os pilotos do time adversário têm de ficar além da 20ª posição, sem pontuar.

Para ficar com o vice-campeonato de equipes, a Shell Racing, que hoje está em terceiro na tabela, depende das próprias forças, pois está apenas um ponto atrás da CRT. Além disso, se vencer a prova, o time será o segundo com mais vitórias no ano – até agora, foram dois triunfos de Átila Abreu e dois de Ricardo Zonta. Há ainda uma vitória de Zonta sub-júdice, cujos pontos não estão considerados na classificação atual.

A Shell Racing soma ainda nove pódios e uma pole position em 2017, o melhor resultado da marca na Stock Car e também o melhor resultado do time chefiado por Thiago Meneghel.

Átila Abreu também se apega à matemática para tentar o vice entre os pilotos. Vencedor da última corrida, em Goiânia, o sorocabano depende de uma nova vitória em Interlagos, além de torcer para Thiago Camilo não passar da 18ª posição. Se terminar em segundo, Átila precisa que Camilo acabe fora da zona de pontuação. O piloto do carro #51 já tem um vice na Stock, em 2014, e um terceiro lugar, em 2012.

Tanto Átila como Zonta, que já renovaram contrato com a Shell Racing para 2018, têm boas memórias de Interlagos. O paranaense conquistou sua primeira vitória na Stock Car justamente no autódromo paulistano, em 2013, na Corrida do Milhão. Já o sorocabano foi o vencedor da prova de encerramento da temporada 2015.

Ambos os pilotos concorrem ao prêmio do fan push, um disparo adicional do botão de ultrapassagem por intermédio de votação no site oficial da categoria (www.stockcar.com.br). Este ano, tanto Átila quanto Zonta já foram contemplados.

A prova deste fim de semana marca ainda a primeira da Stock com a nova configuração da chicane do Café. As três pernas do S têm agora um raio mais longo, com o objetivo de reduzir a velocidade no local e o impacto dos carros em cima das zebras, que também foram modificadas.

Depois de um shakedown e dois treinos livres na sexta-feira, a sessão que define as posições de largada será disputada no sábado a partir das 12h (de Brasília), com transmissão ao vivo do SporTV3. No domingo, a corrida, com 40 minutos mais uma volta, começa às 10h10 – TV Globo e SporTV2 exibem ao vivo.

 

O que eles disseram:

“Estou vivendo um ótimo momento na Stock Car com bons resultados e bastante competitivo. Foram duas vitórias e três pódios, espero manter esse desempenho para quem sabe buscar mais uma vitória em Interlagos, onde venci pela primeira vez na categoria”

Ricardo Zonta, piloto do carro #10


“Estamos com uma chance matemática de conquistar o vice-campeonato. Não depende só do nosso resultado, mas temos de fazer a nossa parte e torcer para que os outros não façam as deles. É importante terminar o ano com uma vitória, isso sem dúvida vai nos encher de motivação ainda mais para o ano que vem. Temos uma chicane nova, vamos ter de nos adaptar nos treinos para entender como ser mais rápido. A pista teve outras reformas para a Fórmula 1, como nas zebras. Tenho certeza de que teremos um bom carro em Interlagos, foi palco da minha última vitória com a TMG em 2015 e estou certo de que estaremos na briga. Será uma corrida só, então será uma dinâmica diferente. Temos de nos focar no carro para a classificação, com um carro rápido. Com uma corrida só, o desgaste vai ser menor, então até a base do acerto tem de ser diferente. Tem reabastecimento e troca de pneus obrigatória, então existem itens que podem dar uma movimentada na prova. A equipe tem treinado bastante, estou confiante no trabalho deles”

Átila Abreu, piloto do carro #51


“A expectativa é fechar o ano com chave de ouro. Independentemente do resultado, tem sido a temporada mais vitoriosa da equipe TMG e da Shell Racing também. Esperamos brigar por mais uma pole e por mais uma vitória. Infelizmente não temos mais chances no campeonato de pilotos, mas temos no de equipes, embora mínima. Vamos correr soltos, pensando apenas na performance e quem sabe estar no pódio de novo. “

Thiago Meneghel, chefe da Shell Racing


Classificação do campeonato de pilotos:

1º D.Serra – 325 pontos
2º T.Camilo – 310
3º Á.Abreu – 256
4º M.Wilson – 240
5º F.Fraga – 224
6º C.Bueno – 217
7º R.Barrichello – 213
8º M.Gomes – 200
9º R.Maurício -181
10º G.Casagrande – 178
11º R.Zonta – 158


Classificação do campeonato de equipes:

1º RC – 506 pontos
2º CRT – 414
3º Shell Racing – 413
4º A.Mattheis – 399
5º RCM – 328

 

Sobre a plataforma da Raízen em motorsport:

A Raízen, por meio da marca Shell, promove a maior plataforma de patrocínio em esporte a motor no Brasil, a Academia de Pilotos Shell Racing. A marca apoia oito pilotos entre as modalidades do kart, Brasileiro de Turismo, Stock Car e Porsche Império GT3 Cup. O projeto está em linha com a estratégia global da marca, que, além do mais longevo patrocínio do automobilismo mundial com a Scuderia Ferrari na F1, está presente na Nascar, Indycar, V8 Australiana e Campeonato Mundial de Endurance.


Sobre a Raízen:

A Raízen se destaca como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no Brasil, atuando em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar, etanol e energia, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo de combustíveis. A companhia conta com cerca de 30 mil funcionários, que trabalham todos os dias para gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar. Com 24 unidades produtoras, a Raízen produz cerca de 2,1 bilhões de litros de etanol por ano, 4,5 milhões de toneladas de açúcar e tem capacidade para gerar cerca de 940 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana-de-açúcar. A empresa também está presente em 66 bases de abastecimento em aeroportos, 67 terminais de distribuição de combustível e comercializa aproximadamente 25,2 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo. Conta com uma rede formada por mais de 6.000 postos de serviço com a marca Shell, responsáveis pela comercialização de combustíveis e mais de 950 lojas de conveniência Shell Select. Além disso, a companhia mantém a Fundação Raízen, que busca estar próxima da comunidade, oferecendo qualificação profissional, educação e cidadania. Criada há mais de 14 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.

Texto: Assessoria
Foto: Divulgação