GERAL

6 de fevereiro de 2019
Robert Scheidt anuncia retorno para campanha olímpica na Laser

Em entrevista no Yacht Club Santo Amaro, velejador confirma que vai em busca da classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

O campeão está de volta. Robert Scheidt anunciou nesta terça-feira (5), em entrevista coletiva no Yacht Club Santo Amaro, em São Paulo, que voltará a fazer campanha em busca de uma vaga nos Jogos de Tóquio 2020, na classe Laser. Ao lado do também velejador Torben Grael, Scheidt é o maior medalhista olímpico do esporte brasileiro, com cinco pódios: ouro em Atlanta-1996 e Atenas-2004 (ambos na classe Laser), prata em Sydney-2000 (Laser) e Pequim-2008 (classe Star); e bronze em Londres-2012 (Star).

“A partir de 2018, quando voltei a fazer alguns treinos no Laser, no Lago Di Garda (na Itália, onde mora com a família), junto com velejadores italianos e alguns estrangeiros, senti que ainda era bem competitivo, com um bom nível de energia física. Comecei a pensar que talvez existisse a possibilidade de tentar mais um ciclo olímpico. Depois disputei a Copa Brasil (foi vice-campeão em 2018). Mas a definição veio da minha vontade de tentar mais uma vez, provavelmente a última possibilidade que terei de buscar uma Olimpíada. A vontade de me superar, de atingir esse objetivo falou mais alto”, explicou Robert.

Após uma passagem pela classe 49er, Scheidt chegou a anunciar em 2017 o fim da carreira olímpica. Em novembro de 2018, voltou a competir na classe Laser e conquistou a medalha de prata na Copa Brasil de Vela, em Florianópolis. Agora, retoma a jornada rumo a Tóquio. O primeiro grande campeonato no calendário é o Troféu Princesa Sofia, a partir do dia 29 de março, em Palma, na Espanha. Depois, em abril, disputa a Semana de Vela de Hyères, na França. Na sequência, Scheidt segue para o Japão a fim de disputar o Mundial de Laser, a partir de 2 de julho.

“O primeiro objetivo é conseguir a vaga para representar o Brasil na Olimpíada. Esse é o meu foco. Hoje, não estou pensando em Tóquio. Penso em velejar melhor, entrar em ritmo na Laser para buscar a classificação. O objetivo é evoluir a cada competição. Diferentemente da campanha para a Rio 2016, iniciei o ciclo olímpico mais tarde. Falta apenas um ano e meio para Tóquio e, por isso, minha preparação terá que ser mais seletiva em relação ao número de competições e intensidade de trabalho.”

O Brasil já tem classificação garantida na classe Laser nos Jogos de Tóquio 2020, conquistada no Campeonato Mundial de 2018. A definição de qual atleta vai representar o país se dará por critério técnico, baseada nos resultados na água. Além de participar da Copa Brasil de Vela 2019, o velejador precisa atingir resultados nas competições seletivas:

  •     Mundial de 2019 da classe Laser (2 a 9 de julho, em Sakaiminato/JAP); OU
  •     Evento-Teste de 2019 (15 a 22 de agosto, em Enoshima/JAP); OU
  •     Mundial de 2020 da classe Laser.

Presidente da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Marco Aurélio de Sá Ribeiro celebrou a notícia do retorno de Robert Scheidt.

“É um privilégio para a vela brasileira contar com o Robert Scheidt. É um ídolo mundial do esporte. Pela imensa qualidade técnica e profissionalismo, ele tem totais condições de brigar por uma vaga nos Jogos Olímpicos. E, dentro e fora da água, será uma referência para os demais jovens atletas do Brasil na classe Laser”, afirmou Marco Aurélio.

SOBRE A CBVELA

A CBVela é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico do Brasil (COB). Tem o Bradesco como patrocinador oficial, o Grupo Energisa como parceiro oficial e patrocinador oficial da Vela Jovem, e a Kailash como fornecedora de material esportivo. A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: sete. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 18 medalhas em Jogos Olímpicos.

 

 

Texto: Assessoria
Foto: : Gabriel Heusi/  CBVela – Copa Brasil 2018