GERAL

16 de fevereiro de 2021
Oficiais de competição da CBA participam de seminários da FIA

Os treinamentos recebidos serão adaptados e compartilhados com diretores de prova e comissários de todo o país.

 

Diretores de provas e comissários da Confederação Brasileira de Automobilismo participaram de seminários promovidos pela FIA. Foram quatro dias de atividades online, entre 4 e 7 de fevereiro. Com programação conduzida a partir de Genebra, Suíça, e início sempre às 9:00 locais, para o grupo reunido em São Paulo significou iniciar os trabalhos às 5:00. Mas o fuso horário não impediu alto grau de aproveitamento, sob a coordenação do presidente da Comissão Nacional de Velocidade, Alfredo Tambucci Jr.

Jean Todt, presidente da FIA, saldou os participantes, seguindo-se um desfile das principais autoridades da entidade internacional. Lá estiveram, entre outros, Michael Masi, diretor de provas da Fórmula 1; Eduardo Freitas, que exerce a mesma função no WEC, e Tim Mayer, chefe dos comissários da FIA.

Nos dois primeiros dias foi realizado o FIA Race Director Seminar, que contou com as presenças dos diretores de provas Mirnei Antonio Piroca, Sergio Luiz Berti e Ernesto Magalhães de Abreu Filho. Já o FIA International Steward Programme foi acompanhado por Rafael Frainer Pinotti, Violeta Pernice, Cristiano Pellacani Carreira e André Crocci Neves.

 

Procedimentos já conhecidos por aqui

 

Na programação destinada aos diretores de provas, foram abordadas questões como unificação e padronização de documentos, aplicação dos protocolos para a Covid-19, controles de segurança e procedimentos relacionados ao Track Limits, conflitos de interesse, entre outros.

“Foi importante para fazer uma analogia dos procedimentos da FIA com os nossos e verificar que estamos totalmente alinhados aqui no Brasil, fazendo exatamente o que a FIA recomenda”, comemorou Tambucci.

Os oficiais de competição Mirnei Piroca, Sergio Berti e Ernesto Magalhães ratificaram a atualidade da CBA quanto aos padrões internacionais.

Oriundo da Federação Gaúcha de Automobilismo, Mirnei falou da importância de participar de um evento dessa envergadura como forma de valorização e reconhecimento profissional. Registrou também que serve de motivação, depois de um ano difícil, para “se reinventar, retomar o quanto antes nossas atividades e nunca esquecer os treinamentos”.

Para o diretor de provas paulista Sergio Berti, é fundamental trabalhar com um unificado protocolo de procedimentos, para todas as categorias, “para que os pilotos jamais tenham surpresas nos procedimentos de um ou outro diretor”.

Já Magalhães, que inicia preparativos para ministrar curso semelhante na Federação de Automobilismo do Estado do Rio de Janeiro, enalteceu a “grande oportunidade de agregar conhecimento sobre direção de prova na Fórmula 1, WEC e Fórmula E”.

Estudos de caso

No seminário para os comissários, a grande atração foi reunir oficiais de várias nacionalidades para que, em conjunto, analisassem casos verdadeiros. Coube a cada grupo tomar decisão e preencher os formulários da FIA. O passo seguinte consistiu em apresentar as conclusões para os demais grupos.

“Os formulários e procedimentos não foram novidades para nossos comissários porque são os mesmos que usamos aqui”, explicou Tambucci, revelando ainda que chegaram a estar simultaneamente reunidos mais de 250 oficiais.

Rafael Pinotti, da Federação de Automobilismo de São Paulo, destacou a pertinência de treinamentos, dada a característica da função de comissário: “tomar decisões amparadas para não gerar má interpretação pelas partes envolvidas”. Sublinhou também a necessidade de ser dado um retorno eficiente e adequado para que seja compreendida com clareza a linha de raciocínio adotada. Mesmo que o piloto punido não concorde, ele precisa ter clareza dos procedimentos adotados.

Christiano Carreira destacou a importância de as decisões estarem totalmente embasadas nos regulamentos, “para não haver dúvidas sobre o que gerou a punição e qual capítulo do regulamento foi utilizado”. André Neves considerou extremamente útil a dinâmica de estudar casos complicados com comissários de vários países. Violeta Pernice chamou a atenção sobre a necessidade de todos os comissários adotarem os mesmos padrões para preenchimento dos documentos. Pontuou que a prática deve ser adotada desde as comunicações, não apenas nas punições. Os três são comissários sediados no estado de São Paulo.

Segundo Tambucci, a partir de agora haverá o aproveitamento de tudo o que de melhor foi visto nos seminários para que, adicionando-se elementos inerentes à realidade brasileira, sejam promovidos em âmbito nacional para treinamento de oficiais em todo o Brasil.

 

Autor: Assessoria de Imprensa CBA
Foto: Divulgação