DESTAQUES

2 de abril de 2020
CNK altera validade de homologação de produtos

Chassis, carenagens e freios terão mais um ano de vigência da homologação

A pandemia mundial do COVID-19 vem atingindo de forma drástica todos os setores da sociedade e, com as competições automobilísticas, não tem sido diferente. O processo de homologação de produtos para as competições segue um calendário que, há vários anos, mantém um ciclo de três anos.

Com a parcial paralização da economia mundial, contudo, este momento do ano que seria para desenvolvimento de novos produtos e até mesmo testes de viabilidade técnica e financeira ficou completamente comprometido para que os fabricantes desenvolvessem seus equipamentos. Cabe ressaltar que o processo de homologação se inicia sempre em 1º de agosto.

Assim, na tarde de ontem (31/março) a CIK/FIA soltou um comunicado informando que os produtos que teriam suas homologações válidas até 31 de dezembro de 2020 terão mais um ano de validade, ficando desta forma válidos até 31 de dezembro de 2021. Naturalmente, os mesmos produtos que teriam novas homologações à partir de 2021 passarão a serem homologados para 2022.

Os produtos homologados que se enquadram nesse processo são chassis, carenagens e freios.

A Confederação Brasileira de Automobilismo, por meio da Comissão Nacional de Kart – CNK, segue há anos o mesmo calendário de homologações da CIK/FIA para a autorização de produtos importados nas corridas no Brasil, bem como, a homologação dos produtos nacionais.

Desta forma, seguindo uma verticalização do que foi determinado pela CIK, a CBA também irá estender em um ano o prazo das homologações para chassis, carenagens e freios deixando os equipamentos em vigor válidos até o dia 31 de dezembro de 2021.

“O mercado do kartismo nacional movimenta milhões de reais todos os anos e devemos fazer o máximo possível para proteger as pessoas, as indústrias, os empregos e as famílias que dependem de nosso ciclo comercial. Temos seis marcas de chassis homologados atualmente no Brasil além de algumas fábricas de carenagens e freios que produzem para seu mercado próprio bem como, terceirizam suas produções para os demais. Temos consciência de todo o investimento e cuidado que estas empresas têm no desenvolvimento dos novos produtos e acredito que esta medida vai no coração de cada uma delas no sentido de manter no mais alto nível os produtos homologados para as competições”, comentou Pedro Sereno, presidente da CNK.

Imagem: CBA

Assessoria de Comunicação da CBA | KART